quinta-feira, maio 23, 2024
Home Blog

O que é Preciso para ser um Engenheiro Civil de Sucesso?

0
Os engenheiros civis estão em alta demanda e não há dúvida de que desempenham um papel fundamental em muitas indústrias. Eles projetam e constroem infraestrutura, parques, aeroportos e outras obras públicas. Além de suas habilidades técnicas, os engenheiros civis também devem ter um profundo conhecimento da comunidade local e de suas necessidades. Se você quer ser um engenheiro civil de sucesso, precisa trabalhar duro.

1.O que é um Engenheiro Civil?

Um engenheiro civil é um profissional que ajuda a projetar, construir, operar, manter e inspecionar infraestrutura física, como estradas, pontes, aeroportos, sistemas de água e outras obras públicas críticas. Esses profissionais podem ser encontrados em uma variedade de carreiras diferentes, incluindo escritórios de engenharia, arquitetura, construção e design de parques.

2.Quais são os Diferentes Tipos de Trabalhos de Engenharia Civil?

Existem muitos tipos diferentes de trabalhos de engenharia civil que você pode encontrar em todo o país. Alguns cargos comuns incluem: engenheiro estrutural, designer, empreiteiro. Cada trabalho requer um certo nível de treinamento e experiência que pode variar dependendo da posição que você escolher. Por exemplo, engenheiros podem ser necessários para projetar pontes e rodovias, enquanto empreiteiros podem ser responsáveis pela construção de projetos do início ao fim. No entanto, é importante fazer sua pesquisa antes de selecionar uma carreira como engenheiro civil, porque há muitas opções por aí!

3.Quais são os Diferentes Tipos de Carreiras que Podem Levar a Uma Carreira de Engenharia Civil?

Existem muitas maneiras diferentes de se tornar um Engenheiro Civil, que inclui estudar em uma universidade ou faculdade credenciada; trabalhar como engenheiro em sua própria empresa; ou encontrar trabalho com um governo ou organização privada. A maneira mais comum de se tornar um Engenheiro Civil é através de uma universidade ou faculdade credenciada, onde você obterá educação de nível de graduação e depois poderá fazer uma pós-graduação.
Quando concluir sua faculdade de engenharia civil, você precisará encontrar trabalho como engenheiro para começar a praticar suas habilidades no mundo real! Existem muitas empresas que exigem profissionais especialistas no ramo da construção civil e engenharia. Mas, há diversas áreas da engenharia civil que você poderá seguir, como por exemplo engenharia estrutural, engenharia de transportes, etc. É importante ter em mente que não existe uma resposta única quando chega a hora de escolher uma carreira como Engenheiro Civil; você precisará adaptar seu conjunto de habilidades para a empresa em que deseja trabalhar!

4.O que é Preciso para ser um Engenheiro Civil de Sucesso?

Uma carreira de engenharia civil de sucesso requer um diploma universitário em Engenharia Civil. Para ser um engenheiro civil de sucesso, você deve ter bons conhecimentos técnicos e ser capaz de trabalhar com outras pessoas. Você também precisa ser persistente e permanecer motivado.

Dicas para uma Carreira de Sucesso como Engenheiro Civil

Uma das coisas mais importantes que você pode fazer para ter sucesso como engenheiro civil é encontrar uma maneira de equilibrar seu trabalho e sua vida. Você precisa ter uma vida saudável e equilibrada para ter sucesso como engenheiro.
Para conseguir isso, é importante ter fortes valores pessoais e manter-se motivado e focado, você precisará continuar aprendendo coisas novas e acompanhando as tendências atuais da área.

Siga os Caminhos Certos para obter Sucesso!

Se você quer ser um engenheiro civil de sucesso, precisa seguir alguns caminhos específicos para o sucesso. Um exemplo é estudar engenharia em uma universidade que tem um bom programa em engenharia civil. Outra opção é trabalhar em um projeto pelo qual você é apaixonado e depois tentar tornar seus resultados comuns. Por fim, você pode se envolver em muitas organizações profissionais diferentes para ter acesso a recursos que o ajudarão a atingir seus objetivos.
Uma carreira de sucesso como engenheiro civil exige uma boa licenciatura em Engenharia Civil, conhecimento técnico e capacidade de trabalhar com outras pessoas. Portanto, é importante ser persistente e permanecer motivado; seguir os caminhos certos para o sucesso e conhecer as últimas tendências da engenharia civil. Seguindo essas dicas, você pode alcançar um bom equilíbrio entre trabalho e vida pessoal e ter sucesso em sua carreira como engenheiro civil.

Engenheiros Civis: O que Fazem e Quanto Ganham?

0

Os engenheiros civis são essenciais para o sucesso de qualquer vila ou cidade. Eles projetam e gerenciam estradas, pontes, sistemas de água e outros projetos de infraestrutura. Além disso, muitas vezes trabalham em projetos ambientais. E como todos os profissionais, os engenheiros civis devem ter cuidado com o impacto de seu trabalho no meio ambiente. Eles precisam estar cientes dos possíveis problemas antes de começar a trabalhar e também precisam ter certeza de que seus projetos atendem aos requisitos locais.

O que os Engenheiros Civis Fazem?

Um engenheiro civil é um profissional especializado em projeto, construção civil e manutenção de infraestrutura. Eles também podem estar envolvidos em outros aspectos de obras públicas, como gestão ambiental ou de terras. Engenheiros civis normalmente têm um diploma de bacharel ou superior em engenharia.

Quanto Ganham os Engenheiros Civis?

A maioria dos engenheiros civis ganha cerca de US $ 100.000 por ano, em média. No entanto, o valor que você ganha depende de muitos fatores, incluindo experiência, localização e prêmios recebidos.

Onde os Engenheiros Civis Trabalham?

Alguns tipos de engenheiros civis trabalham em uma variedade de indústrias, incluindo empresas de engenharia, arquitetura, construção e ciências ambientais. O salário médio de um engenheiro civil pode variar de US $ 75.000 a US $ 150.000.

Tipos de Engenheiros Civis e suas Responsabilidades

Engenheiros civis trabalham em uma variedade de campos, incluindo escritório de engenharia civil, arquitetura, topografia, gerenciamento de construção, gerenciamento de terras, obras públicas e muito mais. Alguns engenheiros civis são mais qualificados do que outros quando se trata de sua especialização em um campo específico. Por exemplo, alguns engenheiros civis são melhores em projetar e elaborar planos e desenhos do que outros. Além disso, alguns engenheiros civis são melhores em medir e calcular distâncias e volumes do que outros.

Profissão de Engenheiro Civil

Os engenheiros civis são responsáveis por muitos aspectos da infraestrutura, incluindo projetar e reparar estradas, pontes, túneis e outras estruturas. Eles também trabalham no campo da engenharia ambiental para ajudar a melhorar a qualidade da água e proteger o meio ambiente. Independentemente do campo que um engenheiro civil possa escolher, ele ganhará um bom salário. Com tantas opções disponíveis para eles, é importante encontrar uma que se alinhe com seus objetivos de carreira.

Engenheiro Civil: A Arte de Projetar e Criar Comunidades Eficientes e Sustentáveis

0

Os engenheiros civis são especialistas em projetar e criar comunidades eficientes e sustentáveis. Eles trabalham para tornar as cidades mais eficientes, ecológicas e acessíveis. Eles também trabalham para criar comunidades seguras onde todos possam prosperar. Se você está procurando uma carreira que deixe uma marca em sua comunidade, um diploma de engenharia civil é a resposta para você.

O que é um Engenheiro Civil?

Um engenheiro civil é um profissional que cria e supervisiona o projeto, construção e manutenção de infraestrutura para tornar as comunidades eficientes, sustentáveis e acolhedoras. Existem muitos tipos diferentes de engenheiros civis; alguns dos quais incluem: arquitetos paisagistas, planejadores urbanos, engenheiros ambientais, engenheiros hídricos, oficiais de saúde pública e muito mais.

Quais são as Diferentes Áreas da Engenharia Civil?

Os vários campos da engenharia civil podem ser divididos em quatro áreas principais: ciência da engenharia, gerenciamento de engenharia (o processo e gerenciamento de um projeto de engenharia civil), tecnologia (que inclui planejamento e projeto de construção) e estudos ambientais (que englobam a avaliação do impacto no meio ambiente).

Quais são os Diferentes Tipos de Trabalho para um Engenheiro Civil?

Existem muitos tipos diferentes de trabalho em que o engenheiro civil pode estar envolvido, dependendo do campo em que está trabalhando. Um engenheiro ambiental por exemplo pode ser responsável por analisar dados ambientais para encontrar problemas ou recomendar soluções; e um engenheiro hídrico pode ser responsável por projetar maneiras de melhorar os recursos hídricos ou hábitos de consumo seguro dentro das comunidades ou regiões.

Qual é o Objetivo de um Engenheiro Civil?

O objetivo de um engenheiro civil é projetar, criar e avaliar projetos de engenharia civil.

Quais são os Diferentes Tipos de Empregos de Engenheiro civil?

Um engenheiro civil pode trabalhar em alguns tipos diferentes de trabalhos de engenharia civil. Alguns trabalhos comuns de engenharia civil incluem:

1) Engenheiro de Rua

2) Engenheiro de Drenagem

3) Engenheiro de Recursos Hídricos

4) Engenheiro Rodoviário

5) Engenheiro Ambiental

6) Planejador Urbano

7) Engenheiro Estrutural

8) Técnico de Engenharia Civil

9) Engenheiro de Tráfego

10) Engenheiro de Planejamento Ambiental

Um Engenheiro Civil é uma parte essencial de qualquer comunidade. Seu objetivo é projetar e criar comunidades eficientes e sustentáveis, que podem ter um impacto significativo na economia. Um Engenheiro Civil pode trabalhar em diferentes tipos de trabalhos de engenharia civil, que oferecem uma variedade de oportunidades de crescimento na carreira. De modo geral, um Engenheiro Civil é um membro indispensável de qualquer comunidade e deve ser considerado para qualquer cargo que ofereça crescimento profissional.

Como Começar Atuar na Engenharia Civil mesmo sem ter Experiência?

0

Você gostaria de aprender como empreender na área de engenharia civil?

Acompanhe nosso artigo e veja três dicas essenciais para quem está começando nesta profissão. Então, você já decidiu ter o seu próprio negócio? Como deverá empreender e trabalhar como engenheiro(a) civil sem nunca ter trabalhado na prática de uma obra?

Mas se ainda não têm experiência suficiente, e não sabe por onde começar, como iniciar? Se alguém lhe chamar para executar um serviço e você não souber executar. O que deverá fazer neste caso?

Sempre surge diversas dúvidas, mas hoje vou clarear para você como poderá começar a atuar na área da engenharia civil sem ter experiência de 5 anos ou mais. É possível que você atue em algumas áreas da engenharia civil sem ter experiência. Portanto, o primeiro para começar é atuar em uma área da sua escolha, e mesmo que ainda você não domine, será necessário realizar uma parceria com parceiros da área da construção civil.

Saiba Agora Como Iniciar na Profissão de Engenharia Civil sem Nunca ter Trabalhado em uma Obra

Procure por parceiros ou um colega de profissão, porém, poderá ser um parceiro de uma construtora ou um arquiteto. Isso irá depender de qual parceiro você irá escolher, pois, ele ajudará você a aprimorar uma habilidade que ainda não tenha domínio total.

Como devemos proceder na prática? Inicialmente você precisará surgir a sua mão de obra para conseguir acompanhar determinado serviço, e assim poderá acompanhar uma determinada execução de um serviço específico de engenharia. Porém, pode ser que você não seja remunerado porque estará desenvolvendo uma nova atividade em troca do conhecimento e aprendizagem na prática.

Portanto, todo conhecimento que adquirir irá ajudá-lo futuramente, e assim que surgir novos serviços, você conseguirá acompanhar, ou seja, terá condições de executar os serviços de engenharia sozinho(a). Quando aprender o que for necessário, poderá executar o serviço sem a necessidade de acompanhamento de outra pessoa. No início você abre mão de um lucro para adquirir em troca conhecimento desejado, desta forma, consegue atuar através de parceiros e parcerias importantes.

Esse pode ser o seu começo, e assim conseguirá atuar sem ter conhecimento em uma determinada área, mas através da terceirização de serviços poderá ter o conhecimento necessário que deseja para prosseguir na carreira de engenheiro civil.

Ramo de Reformas: Como Proceder na Prática?

Vamo imaginar que você está começando no ramo de reformas, e um cliente acaba de lhe chamar para instalar um porcelanato, mas, digamos que você nunca tenha visto como isso funciona, ou seja, não tem conhecimento prático sobre o assentamento de um porcelanato.

O que fazer quando isso acontecer? Isso é bem simples! Você poderá terceirizar o serviço e chamar uma empresa que seja especialista em assentamento de porcelanato. Neste caso,  deverá acompanhar a execução deste serviço, e ganhará em troca o conhecimento. Portanto, a estratégia baseia-se em adquirir conhecimento para depois ter condições de executar esse serviço sem acompanhamento.

Esse procedimento pode ser adaptado em qualquer área da engenharia civil que você não tem habilidade, seguindo esse método, conseguirá ampliar o seu leque de atuação e consequentemente terá mais resultados para a sua carreira profissional.

Conheça a Rodovia do Oceano Atlântico Europa

0

Para os especialistas e engenheiros amantes da engenharia rodoviária, é interessante que saibam qual rodovia parece sumir no céu.
Você conhece essa rodovia?
A estrada norueguesa é batizada de “Rodovia Oceano Atlântico”.
Sua vista tem um charme diferencial, porém impactante.

Curiosidade sobre a Ponte Storseisundet

A Ponte Storseisundet compõem a rota do país nórdico, da qual diversos turistas acreditam ser uma obra impressionante.
O tabuleiro da ponte é composto por uma inclinação em curva onde parece desaparecer no céu.
Esta Obra de Arte Especial tem 260 metros de comprimento, e seu projeto continua com uma descida para o outro lado.
Sua extensão baseia-se em um pouco mais de oito quilômetros.

Imagem da Rodovia do Oceano Atlântico Europa – Foto Engenharia Bonandin

A Ponte desperta beleza para a vista dos Profissionais da Construção Civil

Toda rodovia tem sua velocidade imposta no trecho pertencente, por causa disso é essencial que a estrada informe a quilometragem.
Contudo, é necessário que seja respeitado a velocidade do trecho da rodovia.
Por meio deste, o tráfego consegue percorrer seu parâmetro de segurança, evitando acidentes nas estradas.
Devido a esta ponte estar em certa inclinação e sinuosidade, os veículos devem respeitar as placas de sinalização máxima.

A Paisagem que todo(a) Engenheiro(a) deve ter de Lembrança!

Para os viajantes, no começo da subida há um estacionamento da qual podem apreciar a vista, os carros param por ali e registram diversas fotos emocionantes.
Nesta paisagem o asfalto realmente some no horizonte.
Com certeza, os engenheiros devem conhecer essa bela estrutura.

Construção Civil não poderá parar mediante a Covid-19

0

A área de construção civil não pode deixar de funcionar nesses períodos, pois a cidade depende da continuidade das construções de obras, algumas obras de hospitais estão sendo requisitadas para suprir as necessidades dos sistemas públicos de atendimento a população. Outras devem permanecer aos trabalhos, pois com atenção redobrada para os funcionários, desde que estejam cientes aos cuidados com a saúde, adotando as diretrizes de segurança e limpeza para proteção contra o covid-19.

Serviços essenciais não devem ser suspensos

Os serviços que não podem parar devido a pandemia, são os supermercados, empresas que fornecem meio para a população se sustentar, como a água, energia, alimentos, e remédios.
Empresas que trabalham com construção civil deve permenecer com seus serviços, pois hospitais e empresas de transporte público necessitam da manutenção e continuidade para atender o uso da população, seja ela de renda baixa ou não.

Rodovias – Caminhões não necessitam mais parar para pesagem

As rodovias impletam processos de controle de carga, para veículos que comportem um peso alto de carga, devido ao efeito de pandemia em diversos paises, o Brasil adotou que os pedágios obrigatórios para esses veículos foram suspensos, sabendo que os produtos que estão percorrendo as rodovias serão somente os de utilidade necessária para populçao, ou seja alimentos e produtos de uso populacional para sobevivência.

Prédios adotam meios para ajudar a população, disponibilizar a hospedagem para pacientes se torna extremamente importante para a saúde pública

Empresas adotam atitude humanizada, tomam a decisão de ajudar a população contra o covid-19, por isso emprestar o prédio comercial para auxílio e cuidados é diferencial, pois estão sendo preparados os espaços segundo as notícias recorrentes para comportar pessoas com necessidades de urgência a saúde, no momento está com 40% de leitos já implantados.

Estádios de futebol serão usados para atender a população devido a necessidade do Coronavírus

Devido a alta demanda para conter o vírus do covid-19, estádios de futebol decidem abrir as portas para ajudar no combate contra o coronavírus.

7 Estádios que podem compactuar com a prevenção da pandemia

  • Arena Corinthians
  • Morumbi
  • Pacaembu
  • Nilton Santos
  • Arena da Baixada
  • Frasqueirão
  • Mané Garrincha

Governo abre sugestões para que hotéis possam emprestar espaços para cuidar de pessoas que necessitem de leitos

O Governo estuda meio para abrir mais espaços dentro de hotéis para que possam ser usados para sustentar a quantidade excessiva da população, caso haja necessidade de utilizar leitos, pois devido ao ocorrido os hospitais não conseguem suportar a quantidade de pessoas que irão precisar dos serviços hospitalares.

Autor: Engenharia Bonandin

Um ano após desastre de Brumadinho, leis, vistorias e fiscalizações de Barragens vêm sendo intensificadas no Brasil

0
Agência Nacional de Mineração ainda busca estruturação para melhorar serviços
Fonte: Assessoria de Imprensa
 

No próximo dia 25/01, completa um ano que a Barragem I, na Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG) se rompeu, causando um dos maiores desastres com rejeitos de mineração do Brasil.

À época, com pouco mais de um mês de sua instalação, a Agência Nacional de Mineração ainda não havia se estruturado, objetivo que o órgão ainda tenta alcançar.

Mas, mesmo com poucos recursos, a mais nova agência reguladora conseguiu dar o ponta pé inicial para as modernizações do setor mineral, principalmente no quesito segurança de barragens.

“Naquele período estávamos mapeando fluxos e processos, as atividades de rotina e conhecendo e nomeando as pessoas. Era meio que um diagnóstico do que ainda era DNPM e o que já era ANM. Devido ao rompimento tivemos que deslocar muito o foco de reestruturação da agência para o caso de barragens. E mesmo assim, acredito que conseguimos um grande passo com a revisão da regulação e aprimoramento dos nossos instrumentos de gestão de barragem”, relata o diretor da ANM, Eduardo Leão.

No dia do rompimento, a ANM contava oito técnicos para fiscalizar 816 barragens de mineração. Ao longo do ano, servidores foram sendo treinados e atualmente 13 técnicos estão em dedicação exclusiva, o que permitiu que 274 barragens fossem vistoriadas ao longo de 2019 – 51% das estruturas inseridas na Política Nacional de Segurança de Barragens (PNSB).

“Tivemos que realocar equipes e estrangular ao máximo nossa capacidade para chegarmos a este número. Não conseguimos passar disto. Para poder alcançar os números de vistorias que a sociedade necessita, precisamos de mais servidores e reestruturação do setor”, diz o gerente de Segurança de Barragem de Mineração da ANM, Luiz Paniago, sobre a estrutura ainda mais enxuta que a agência herdou de seu antecessor Departamento Nacional de Produção (DNPM).

O sistema da ANM que monitora as barragens de mineração (SIGBM) gerou um total de 1116 autos de infração em 2019 e as fiscalizações em loco mais de 400. A infração mais recorrente foi a de não atualização do Extrato de Inspeção Regular em 30 dias, seguida pela de não acionamento do Plano de Ação de Emergência para Barragens de Mineração em nível de Emergência 1.

Em 2019, a ANM fez 55 interdições de barragens, sendo que as mais comuns foram aquelas relacionadas ao do não envio da Declaração de Condição de Estabilidade, ou envio atestando a não estabilidade da barragem. Atualmente, 41 barragens estão interditadas – 22 em Minas Gerais, 9 em Mato Grosso, 3 no Pará, 3 em São Paulo, 3 no Rio Grande do Sul, 1 na Bahia e 1 no Rio de Janeiro.

A Resolução Nº 13, avanço na regulação de barragens de mineração, foi um esforço contínuo da ANM junto ao setor mineral, sociedade civil e demais órgãos fiscalizadores para apertar as regras na segurança das estruturas, fato.

A ANM também investigou e divulgou um relatório técnico que aponta os principais gargalos entre as informações prestadas pela empresa Vale S. A., responsável pela Mina do Córrego do Feijão, ao sistema de monitoramento de barragens da agência e aquelas contidas nos relatórios internos do empreendimento. O documento foi divulgado e entregue aos órgãos competentes para devidas providências.

A Ação Civil Pública, movida pelo Ministério Público Federal de Minas Gerais, estipulou, no final de 2019, que o Governo Federal repassasse à ANM um montante de R$ 42,7 milhões exclusivos para estruturação do setor de barragens, que devem ser usados ao longo dos três anos.

Com a primeira parcela (R$ 6,2 milhões) já foram adquiridos 20 carros para fiscalização, equipamentos para campo – como vestuário, tablets e notebooks – além de orçadas passagens para o deslocamento dos fiscais. A agência ainda aguarda o recebimento dos materiais.

A verba vinda da ACP também permitiu a contratação de uma consultoria externa de fiscalização. A empresa é estrangeira, com expertise internacional em barragens de mineração e sem qualquer vínculo com as barragens que serão vistoriadas e poderá auxiliar os fiscais da ANM por 24 meses. A previsão é que os profissionais da empresa comecem a ser treinados na próxima semana.

“A consultoria externa irá nos dar braço para conseguir vistoriar todas as barragens de alto risco e dano inseridas no PNSB. É um grande passo que não podíamos ter dado sozinhos”, explica o diretor.

Desenvolvimento desordenado é uma das causas de enchentes em São Paulo

0

Nos primeiros 11 dias de fevereiro, chuvas na capital paulista ultrapassaram em 37,2% a média histórica para o mês

Por Da Redação. – Revista Veja 

A chuva que atingiu São Paulo neste mês de fevereiro tem causados transtornos para a população, que sofre com enchentes, deslizamentos e congestionamentos. Nos primeiros 11 dias do mês, por exemplo, as chuvas na cidade ultrapassaram em 37,2% a média histórica para fevereiro. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), choveu neste mês 342,6 milímetros. A média para fevereiro registrada entre 1981 e 2010 ficou em 249,7 milímetros.

O Inmet registrou, na segunda-feira, 10, 114 milímetros de precipitação na Estação do Mirante de Santana, zona norte da cidade. Este foi o segundo maior volume de chuva na capital paulista para um mês de fevereiro, em 24 horas, em 77 anos. Para o gerente de Economia da Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário, o engenheiro florestal, André Ferreti, o fenômeno é resultado da chamada mudança climática junto ao desenvolvimento desordenado que ocorre nas grandes metrópoles.

“Juntamos a mudança climática com esse efeito da ilha de calor, que é causado por essa grande região metropolitana cheia de concreto e cimento. Vemos também todo o problema da canalização dos rios, a ocupação de leitos de rios, de áreas de banhados – que seriam áreas inapropriadas para construção das casas, das infraestruturas públicas e privadas. Acabamos invadindo áreas em que naturalmente o excedente de água se concentrava, aí temos essa situação caótica”, disse Ferreti. Essas eram áreas que recebiam o excedente de água e que tinham a capacidade de funcionar quase como uma esponja, no entanto, foram impermeabilizadas com concreto e asfalto.

O que a Engenheira diz?

Engenheira Civil Ariane Bonandin menciona que “A solução para a diminuição de enchentes” é baseado em tecnologia de pavimento permeável. Saiba como isso pode diminuir a vazão de água pluvial. Essa tecnologia será explicada por nossa plataforma através do site https://engenhariabonandin.com.br/.

Veja a seguir a Solução para as consequências abordadas pela “Revista Veja”:

Para reduzir as consequências das chuvas intensas, como as que atingiram a capital paulista na última semana, Ferreti apontou soluções que permitam o armazenamento da água e outras que possibilitem maior permeabilidade do solo.

“Precisamos pensar no nosso município, nosso bairro, de forma a ampliar o poder de absorção desse excedente de água. Precisamos [pensar] nas estruturas cinzas, que são as estruturas de concreto – como os piscinões, as galerias pluviais, todo esse sistema de drenagem – que precisa ser ampliado, porque está vindo mais água do que vinha historicamente e eles não foram dimensionados para esse volume tão grande de água em um período de tempo muito curto, então não dão mais conta de escoar tanta água”.

Ferreti diz que para tornar o solo da região mais permeável é preciso ter mais praças, arborização urbana, áreas verdes, ter telhados verdes, que são alternativas que poderiam ser utilizadas em toda a cidade. “Podemos ter cisternas, que coletam essa água da chuva e evitam que ela escoe rápido para esses pontos mais baixos e, ao mesmo tempo, permite que os moradores, as pessoas possam utilizar essa água para diversos fins”.

Outro exemplo citado pelo engenheiro são pavimentos mais permeáveis, feitos de pequenos blocos de concreto, em vez de uma grande área cimentada, além de novas tecnologias que produzem um asfalto permeável. “Hoje existem até asfaltos que permitem que a água penetre. São asfaltos permeáveis, assim como tipos de pavimentos que podemos colocar nas calçadas ou no entorno das casas que permitam infiltração de água. Por exemplo, uma rua de blocos de concreto ou de paralelepípedo permite a entrada de água entre as pedras ou entre os blocos de concreto”.

Para o engenheiro, essas técnicas, sejam elas de infraestrutura natural – como praças, áreas verdes, parques e arborização urbana – ou tecnologias que podem ser utilizadas na infraestrutura cinza – que são as casas, o asfalto, a calçada, as lajes – têm que ser combinadas e pensadas de uma nova forma para que se possa aproveitar essas tecnologias para diminuir o impacto desses eventos climáticos extremos.