Os impactos do desenvolvimento urbano trouxeram diversas consequências para o meio ambiente, a frequência de inundações tem aumentado drasticamente. O Brasil tem experimentado os desastres (2020) em cidades como Rio de Janeiro, São Paulo, entre outras. Identifica-se que quanto maior a população aumenta, a urbanização e construções tendem a crescer, por isso as inundações ocorrem devido as regiões de meio rural se tornaram em urbanas, ou seja, aumento de urbanização= aumento de áreas pavimentadas/ áreas construídas.

As inundações surgem devido a problemas com sistemas de drenagens, construção de edificações em áreas de risco, e aumento elevado de chuva em determinado local no período não previsto. Conforme as cidades se urbanizam, ocorrem os seguintes impactos: aumento de vazões máximas que acontece por causa da capacidade de escoamento, onde os canais de condutos não suportam as águas pluviais, o excesso de impermeabilização das superfícies acarretam em inundações porque a função da água de chuva não se completa pelo ciclo normal, ou seja, devido a grandes áreas construídas e pavimentadas, a água pluvial não penetra pelo solo para fazer sua função, portanto a “água” que deveria infiltrar não infiltra, resultando em maior quantidade de água a ser levada a condutos e canais por uma maior velocidade. O lixo também ajuda a entupir os canais de drenagens, que acabam não fazendo a função corretamente, e esse fator acaba aumentando os índices de alagamentos.

Aumento da Temperatura

O concreto e o asfalto são superfícies impermeáveis que acabam absorvendo a energia solar, por meio deste ocorre um aumento significativo da temperatura do ambiente, produzindo ilhas de calor em partes dos centros urbanos.

A emissão de radiação térmica volta para o ambiente devido a essa absorção de aumento na radiação solar, criando assim condições que podem gerar o aumento da precipitação de chuva.

Técnicas Compensatórias para minimizar o Efeito das Enchentes

As técnicas compensatórias foram criadas com objetivo de minimizar as enchentes e alagamentos, aproveitar as águas pluviais e direcionar em canais de drenagem podendo até mesmo favorecer as regiões de maior número de secas, sua criação enquadra-se como um benefício para as grandes cidades, tornando-se de grande importância para o desenvolvimento urbano.

13 Tipos de Técnicas Compensatórias Estruturais (Você não pode deixar de ver a #10)

  1. Telhado verde
  2. Microrreservatórios
  3. Poço de infiltração
  4. Plano de infiltração
  5. Trincheira de infiltração
  6. Vala de detenção
  7. Pavimento reservatório
  8. Pavimento permeável
  9. Áreas úmidas lineares
  10. Bacias de detenção ou retenção
  11. Bacias de infiltração
  12. Bacias de detenção e infiltração
  13. Áreas úmidas artificiais

7 Aspectos Hidrológicos necessários para resultados satisfatórios de prevenção de enchentes

Veja a lista dos aspectos hidrológicos:

  1. Caracterização do sistema de drenagem
  2. Parâmetros do coeficiente de escoamento superficial
  3. Tempo de concentração de chuva (em minutos)
  4. Tempo de retorno de água pluvial (em anos)
  5. Vazão de pico
  6. Volume de armazenamento para desconexão de áreas impermeáveis
  7. Volume de escoamento superficial direto

Para obter um resultado que minimize as enchentes, devemos seguir estas etapas de estudo, pois conhecendo o sistema de drenagem e acompanhando os dados estatísticos, o cálculo das vazões de picos serão definidos por uma média determinada para cada localidade, a partir disso haverá possibilidade de projetar um sistema de utilização em técnicas compensatórias.

Autora: Ariane Bonandin – Engenheira Especialista